28 de janeiro de 2013

Minhas 10 ideias

Esse blog tá super abandonado, eu sei. A faculdade está me sugando. Acho que só não choro de desespero porque eu tô com sono demais, cansada demais pra gastar energias com movimentos faciais.

Mas eu preciso fazer uma coisa, e não posso adiar, é arriscado.

Ontem, quando eu soube da partida daqueles mais de 200 jovens, que assim como eu, eram universitários e gostavam de se divertir e que "teriam um futuro inteiro pela frente", eu pensei: " e se eu morrer"?

Porque agora eu tô bem, alegre, comprando roupa no cartão de crédito. Mas só Deus sabe como vou estar amanhã ou depois, então eu quero deixar algumas coisas esclarecidas. Bem esclarecidas.

Quando eu morrer, eu não quero que ninguém trave a vida. Eu posso morrer com 30 ou 105 anos, não sei. Mas não quero ninguém travando a vida por minha causa. Eu sou alegre, brincalhona. No dia em que eu partir, não vai ser diferente. Eu vou ter ido pra outro lugar. Eu acho que tem vida depois daqui, ou seria muita sacanagem tanto esforço aqui pra nada. Mas pra quem não acredita nisso de ir pra outro lugar, pensem que um pessoa está viva quando suas ideias estão vivas. Por exemplo, quando a gente passa embaixo da Perimetral e vê "Gentileza gera Gentileza" nas pilastras o poeta Gentileza e sua família (cuja morte o inspirou) estão vivos.

roubada de http://oimpressionista.files.wordpress.com/2006/06/03.jpg

 Então, no dia que meu cérebro parar de funcionar deixem as ideias dele funcionando. E as ideias são:


1. Eu acredito na bondade das pessoas. Quando a gente acredita na bondade das pessoas, elas tendem a ser melhores. Experimente.

2. Doem-me toda. Se meus órgãos, minha pele, meu sangue, meus ossos não servirem pra outras pessoas vivas, que sejam enviados para pesquisas. Não faço questão de ser enterrada. O mercado imobiliário está em alta, não quero ninguém desperdiçando espaço comigo. Não quero.

3. Brinquem o tempo todo, mas sem ferir os sentimentos dos outros. É bom brincar. Contem piadas, deem risadas. Andem de patins ( eu nunca andei! - vou fazer isso!), de bicicleta, de skate. Andem cantando nas ruas, dancem sem ter vergonha de serem felizes.

4. Não tomem Tang. Aquilo faz mal. Mal por mal é melhor tomar guaraná mesmo.

5. Não fiquem mais de 4 horas sem comer e/ou mais de 2 horas sem beber nada. Dá mau-hálito. Pior, hálito fecal. É sério, eu aprendi na faculdade. E ninguém merece mau-hálito.

6. Ajude os outros, mas sem se prejudicar. Não seja competitivo, mas sim justo.

7. Assistam Glee. E The Big Bang Theory. E How I met your Mother. E principalmente Dexter.

8. Comam bolo quente, de preferencia feito com bastante margarina na receita. É uma delícia. Nunca me deu dor de barriga. Desconfio que seja tudo mito.

9. Doem meu Littman pra algum acadêmico de medicina ferrado.

10. Principalmente: NÃO DESISTA DOS SEUS SONHOS, AO CONTRARIO, ALIMENTE-OS. E ALIMENTE OS SONHOS DOS OUTROS TAMBÉM. A BUSCA HONESTA PELOS SONHOS FAZ DE NÓS PESSOAS MELHORES. E PESSOAS MELHORES FAZEM UM MUNDO MELHOR.

Essas são as minhas lições. No dia que perder alguém (não é praga, todos nós passamos por isso) pense nos mandamentos dessa pessoa e pratique-os, espalhe-os. Das, duas, pelo menos uma: ou essa pessoa se manterá viva porque suas ideias estão vivas e/ou ela estará muito feliz em sua nova morada.

beijos

http://files.yabadabadooeventos.webnode.com.br/200010595-65d9766d36/surpresa.gif , foto roubada na mão grande.

p.s.: mãe, eu sei que a senhora vai ler isso. antes que implique. Não, eu não estou chamando desgraça. Estou falando de uma coisa normal pela qual todos nós vamos passar. Eu só quis avisar logo ao mundo sobre as ideias que eu quero que mantenham vivas quando eu não puder mais fazer isso, que pode ser daqui a 100 anos. Só isso. não é nada traumatico.

28 de janeiro de 2013

Minhas 10 ideias

Esse blog tá super abandonado, eu sei. A faculdade está me sugando. Acho que só não choro de desespero porque eu tô com sono demais, cansada demais pra gastar energias com movimentos faciais.

Mas eu preciso fazer uma coisa, e não posso adiar, é arriscado.

Ontem, quando eu soube da partida daqueles mais de 200 jovens, que assim como eu, eram universitários e gostavam de se divertir e que "teriam um futuro inteiro pela frente", eu pensei: " e se eu morrer"?

Porque agora eu tô bem, alegre, comprando roupa no cartão de crédito. Mas só Deus sabe como vou estar amanhã ou depois, então eu quero deixar algumas coisas esclarecidas. Bem esclarecidas.

Quando eu morrer, eu não quero que ninguém trave a vida. Eu posso morrer com 30 ou 105 anos, não sei. Mas não quero ninguém travando a vida por minha causa. Eu sou alegre, brincalhona. No dia em que eu partir, não vai ser diferente. Eu vou ter ido pra outro lugar. Eu acho que tem vida depois daqui, ou seria muita sacanagem tanto esforço aqui pra nada. Mas pra quem não acredita nisso de ir pra outro lugar, pensem que um pessoa está viva quando suas ideias estão vivas. Por exemplo, quando a gente passa embaixo da Perimetral e vê "Gentileza gera Gentileza" nas pilastras o poeta Gentileza e sua família (cuja morte o inspirou) estão vivos.

roubada de http://oimpressionista.files.wordpress.com/2006/06/03.jpg

 Então, no dia que meu cérebro parar de funcionar deixem as ideias dele funcionando. E as ideias são:


1. Eu acredito na bondade das pessoas. Quando a gente acredita na bondade das pessoas, elas tendem a ser melhores. Experimente.

2. Doem-me toda. Se meus órgãos, minha pele, meu sangue, meus ossos não servirem pra outras pessoas vivas, que sejam enviados para pesquisas. Não faço questão de ser enterrada. O mercado imobiliário está em alta, não quero ninguém desperdiçando espaço comigo. Não quero.

3. Brinquem o tempo todo, mas sem ferir os sentimentos dos outros. É bom brincar. Contem piadas, deem risadas. Andem de patins ( eu nunca andei! - vou fazer isso!), de bicicleta, de skate. Andem cantando nas ruas, dancem sem ter vergonha de serem felizes.

4. Não tomem Tang. Aquilo faz mal. Mal por mal é melhor tomar guaraná mesmo.

5. Não fiquem mais de 4 horas sem comer e/ou mais de 2 horas sem beber nada. Dá mau-hálito. Pior, hálito fecal. É sério, eu aprendi na faculdade. E ninguém merece mau-hálito.

6. Ajude os outros, mas sem se prejudicar. Não seja competitivo, mas sim justo.

7. Assistam Glee. E The Big Bang Theory. E How I met your Mother. E principalmente Dexter.

8. Comam bolo quente, de preferencia feito com bastante margarina na receita. É uma delícia. Nunca me deu dor de barriga. Desconfio que seja tudo mito.

9. Doem meu Littman pra algum acadêmico de medicina ferrado.

10. Principalmente: NÃO DESISTA DOS SEUS SONHOS, AO CONTRARIO, ALIMENTE-OS. E ALIMENTE OS SONHOS DOS OUTROS TAMBÉM. A BUSCA HONESTA PELOS SONHOS FAZ DE NÓS PESSOAS MELHORES. E PESSOAS MELHORES FAZEM UM MUNDO MELHOR.

Essas são as minhas lições. No dia que perder alguém (não é praga, todos nós passamos por isso) pense nos mandamentos dessa pessoa e pratique-os, espalhe-os. Das, duas, pelo menos uma: ou essa pessoa se manterá viva porque suas ideias estão vivas e/ou ela estará muito feliz em sua nova morada.

beijos

http://files.yabadabadooeventos.webnode.com.br/200010595-65d9766d36/surpresa.gif , foto roubada na mão grande.

p.s.: mãe, eu sei que a senhora vai ler isso. antes que implique. Não, eu não estou chamando desgraça. Estou falando de uma coisa normal pela qual todos nós vamos passar. Eu só quis avisar logo ao mundo sobre as ideias que eu quero que mantenham vivas quando eu não puder mais fazer isso, que pode ser daqui a 100 anos. Só isso. não é nada traumatico.