4 de outubro de 2010

Destino

Há muito tempo quero escrever e não encontro tempo. Na verdade, as 24 horas de um dia tem sido pouquíssimas para mim. A concorrencia 68 por vaga da UFF me forçou a estudar muito. Ai, que medo gente!! E o pior é que, por mais que eu organize meu tempo ao máximo, NÃO DÁ!

Quero dizer, eu quero passar esse ano. Se eu não passar, o que vai ser de mim ano que vem? Essas incertezas estão me consumindo por dentro. O que eu faço? Escolho outra carreira? Fico trancada em casa estudando (vocês já viram o preço de um pré-vestibular? são os olhos da cara!)? Tomo vergonha na cara e vou trabalhar?

E esse sonho de ser médica? Será só uma ilusão? Será que eu poderia fazer outra coisa? Se sim, o quê? Psicologia? Odonto? Ou, radicalizando um pouco... História? Comunicação?

Ai, isso é tão confuso. Pensei estar certa até chegar nessa reta final, nesse último semestre. Minha última prova da escola é dia 13 de novembro. Tenho um mês. E depois, bem é uma incógnita pra mim.

Tem batido um vazio muito grande. A incerteza. Durante três anos da minha vida quis ser médica, mas agora parece que não é ali que vou ser feliz. Parece que... sei lá.

Outro dia estava comentando com o professor de física sobre essas coisas de profissões. E comentei sobre gostar muito de psicologia, mas do meu medo de mudar. Sim, tenho medo de mudar. Mudar meus conceitos, minhas idéias. Sempre fui tão certinha, vai que eu fico maluca? Vai que eu deixo essa minha personalidade de lado? E foi aí que ele disse: "Luma, e qual o problema de mudar?"

Eis o x da questão. Por que eu não quero mudar? Por que eu quero seguir os cronogramas que planejei?

Hoje estava assistindo Sessão da Tarde ( o que me impediu de estudar literatura e química), vendo De Repente 30 pela bilionésima vez. Pois é, eu SEI que meu cronograma não vai funcionar. Basta olhar pra trás.

Quando eu tinha 12 anos queria ser contadora. Sim, contadora. Porque eu odiava biologia. Eu dizia que a última coisa que faria seria fazer algo relacionado a isso. E hoje sou fissurada por corpo humano. Eu devo ser doente. Ou sem personalidade. Naquela época eu achava que aos 17 anos, meus pais estariam ricos (doce e distante ilusão), eu seria magra, alta, popular, estudaria numa escola tradicional voltada para a elite, namoraria o cara mais gato da escola e teria um exército de amigas patricinhas e ensinaria a todos eles a ser pessoas melhores, promovendo um mundo melhor. Que ridículo!

Hoje eu continuo pobre, gordinha, baixinha, estudo em escola pública e minha popularidade é próxima de zero. Me tornei adulta demais, madura demais pra minha idade. Talvez insuportável demais pra minha idade. Minhas unhas não estão pintadas de francesinha, e sim sem esmalte, apenas de base. Às vezes, é deprimente. Será que mais frustrações estão a caminho?

Oh, meu Deus! E meus pais, eles acreditam que eu vou fazer medicina, que vou passar, que vai dar tudo certo e eu vou ter sucesso. E se eles se decepcionarem? E se eu virar uma fracassada depois de tanto esforço, de tantos ônibus lotados, de tantas provas e seleções, de tantos engarrafamentos, de tantas horas gastas no estágio que larguei, no coral que acabou, no curso de inglês que terminou? E se eu nunca casar e tiver minha família de comercial de margarina?

Acontece que, quando a gente vai fazer inscrição no vestibular, e tem que escolher aquela opção, o coração bate mais forte, a gente se sente perdido. É como se, em um clique, eu tivesse que escolher todo o meu destino. Será que é errado descobrir o que se quer da vida só depois de já ter ingressado na universidade? Quero dizer, se eu passar e depois desistir, não estaria roubando a vaga de alguém que realmente queria aquilo?

Ética. Frieza. Carinho. Saudades. Destino. Fim. MUDANÇA.

É muita loucura de uma só vez.

beijos.

P.S.: antes que alguém me ache chata, eu só queria desabafar. As pessoas com quem tento conversar não entendem o que é ser eu, ter a minha vida, os meus problemas, as minhas dúvidas. Não quero que o ano acabe. Não quero terminar a escola. Não quero fazer 18 anos.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. estava olhando o meu blog há tempos abandonado, e vi que você estava lá nos meus favoritos. Vim dar uma olhadinha. Como não posso ficar aqui por muito tempo, vou só comentar este texto, tudo bem? Olha, pode apostar que as suas frustrações são bem parecidas com as de milhares de adolescentes na nossa idade. E muitos pensaram que teriam uma vida dos contos de fadas quando eram crianças. Quando somos pequetititos, somos sonhadores, não conheçemos limites, e idealizamos um futuro sem sofrimento, pressão ou decepções...
    Porém crescemos, e tomamos na cara, de novo e de novo.

    Mas quando tomamos na cara, aprendemos a crescer e a lidar com as próximas situações.

    Ser popular, ter um namorado gato, estudar numa escola de elite e/ou ter pais ricos talvez não te faça mais feliz. E você sabe disso, né?

    Você tem coisas melhores do que isso. A sua inteligência extraordinária, o seu caráter e a sua força de vontade são absurdamente invejados.
    Só vou falar o que todos devem falar pra você:
    NÃO DESISTA! O seu potencial é magnífico,
    eu acredito em você!

    Eu acredito e SEI que você vai conseguir tudo o que você realmente quiser na sua vida. Talvez seus sonhos demorem para se concretizar, talvez não. O importante é nunca deixar de acreditar.

    E o ano vai acabar, você vai fazer 18 anos.
    Vai chorar, talvez entre em despero. Mas calma, tudo passa. E uma nova e maravilhosa fase da sua vida vai surgir!

    Mas lembre-se, não se esqueça de mim. Eu vou sempre lembrar de uma amiguinha muito nerd, louca, histérica, pessimista, escritora e muito fofa que eu conheci no meu ensino médio.

    E se sentir saudades, fique feliz! Só sentimos saudades quando o passado valeu a pena.

    Eu te garanto, VOU SENTIR SAUDADEEEEES!

    agora vou-me indo, Luminha.

    eu AMO VOCÊ, obrigada por ter participado e participar da minha história.

    ResponderExcluir
  3. Ah Luminha, essas frustações... Eu bem as conheço. Mas, olha, eu faço 21 em março. VINTE E UM. Já tive medo de fazer 15, 18... E, quer saber? Nada muda.

    Quanto a profissão, é como tudo na vida: a gente arrisca, põe a cara a tapa e vê no que dá. As vezes as coisas não vão como nós planejamos sim, mas lembre-se que tem alguém que cuida de você. E mts das vezes os planos desse alguém não são claros, mas são os melhores. Aposto que vc não planejou entrar no Pedro II. Foi lá, descobriu, se inscreveu e... PRIMEIRO LUGAR! Era pra acontecer, Luminha. Mas há coisas que as vezes não são... Entende? Como o sonho de ser alta, magra, popular... Blé. Sonho de adolescente americana! E que tds nós acabamos sendo influenciadas.. rs

    Eu tenho certeza que sua dedicação e carisma ainda te levarão a caminhos mto mto mto especias. E que vc terá uma profissão digna, seu dinheirinho e uma linda família, não tenha dúvidas! Mas deixa a vida seguir... Se não passar no vestibular agora, relaxe. Se não passar pra medicina, quem sabe não era pra ser? Quem sabe outra profissão? Ou quem sabe vc tenha que estudar um pouco mais, ou relaxar um pouco mais... Passar um tempinho mais com vc, pra pensar, refletir... Tem tanta coisa que influencia. Pede a papai do céu pra guiar seus passos, Lu. Ele cuidará de td, é só vc fazer sua parte que a recompensa virá =]

    Tudo de bom Luminha!
    Te adoro mto, viu? Sempre lembro de vc pequetitinha.. ^^

    Mil beijos!

    ResponderExcluir

4 de outubro de 2010

Destino

Há muito tempo quero escrever e não encontro tempo. Na verdade, as 24 horas de um dia tem sido pouquíssimas para mim. A concorrencia 68 por vaga da UFF me forçou a estudar muito. Ai, que medo gente!! E o pior é que, por mais que eu organize meu tempo ao máximo, NÃO DÁ!

Quero dizer, eu quero passar esse ano. Se eu não passar, o que vai ser de mim ano que vem? Essas incertezas estão me consumindo por dentro. O que eu faço? Escolho outra carreira? Fico trancada em casa estudando (vocês já viram o preço de um pré-vestibular? são os olhos da cara!)? Tomo vergonha na cara e vou trabalhar?

E esse sonho de ser médica? Será só uma ilusão? Será que eu poderia fazer outra coisa? Se sim, o quê? Psicologia? Odonto? Ou, radicalizando um pouco... História? Comunicação?

Ai, isso é tão confuso. Pensei estar certa até chegar nessa reta final, nesse último semestre. Minha última prova da escola é dia 13 de novembro. Tenho um mês. E depois, bem é uma incógnita pra mim.

Tem batido um vazio muito grande. A incerteza. Durante três anos da minha vida quis ser médica, mas agora parece que não é ali que vou ser feliz. Parece que... sei lá.

Outro dia estava comentando com o professor de física sobre essas coisas de profissões. E comentei sobre gostar muito de psicologia, mas do meu medo de mudar. Sim, tenho medo de mudar. Mudar meus conceitos, minhas idéias. Sempre fui tão certinha, vai que eu fico maluca? Vai que eu deixo essa minha personalidade de lado? E foi aí que ele disse: "Luma, e qual o problema de mudar?"

Eis o x da questão. Por que eu não quero mudar? Por que eu quero seguir os cronogramas que planejei?

Hoje estava assistindo Sessão da Tarde ( o que me impediu de estudar literatura e química), vendo De Repente 30 pela bilionésima vez. Pois é, eu SEI que meu cronograma não vai funcionar. Basta olhar pra trás.

Quando eu tinha 12 anos queria ser contadora. Sim, contadora. Porque eu odiava biologia. Eu dizia que a última coisa que faria seria fazer algo relacionado a isso. E hoje sou fissurada por corpo humano. Eu devo ser doente. Ou sem personalidade. Naquela época eu achava que aos 17 anos, meus pais estariam ricos (doce e distante ilusão), eu seria magra, alta, popular, estudaria numa escola tradicional voltada para a elite, namoraria o cara mais gato da escola e teria um exército de amigas patricinhas e ensinaria a todos eles a ser pessoas melhores, promovendo um mundo melhor. Que ridículo!

Hoje eu continuo pobre, gordinha, baixinha, estudo em escola pública e minha popularidade é próxima de zero. Me tornei adulta demais, madura demais pra minha idade. Talvez insuportável demais pra minha idade. Minhas unhas não estão pintadas de francesinha, e sim sem esmalte, apenas de base. Às vezes, é deprimente. Será que mais frustrações estão a caminho?

Oh, meu Deus! E meus pais, eles acreditam que eu vou fazer medicina, que vou passar, que vai dar tudo certo e eu vou ter sucesso. E se eles se decepcionarem? E se eu virar uma fracassada depois de tanto esforço, de tantos ônibus lotados, de tantas provas e seleções, de tantos engarrafamentos, de tantas horas gastas no estágio que larguei, no coral que acabou, no curso de inglês que terminou? E se eu nunca casar e tiver minha família de comercial de margarina?

Acontece que, quando a gente vai fazer inscrição no vestibular, e tem que escolher aquela opção, o coração bate mais forte, a gente se sente perdido. É como se, em um clique, eu tivesse que escolher todo o meu destino. Será que é errado descobrir o que se quer da vida só depois de já ter ingressado na universidade? Quero dizer, se eu passar e depois desistir, não estaria roubando a vaga de alguém que realmente queria aquilo?

Ética. Frieza. Carinho. Saudades. Destino. Fim. MUDANÇA.

É muita loucura de uma só vez.

beijos.

P.S.: antes que alguém me ache chata, eu só queria desabafar. As pessoas com quem tento conversar não entendem o que é ser eu, ter a minha vida, os meus problemas, as minhas dúvidas. Não quero que o ano acabe. Não quero terminar a escola. Não quero fazer 18 anos.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. estava olhando o meu blog há tempos abandonado, e vi que você estava lá nos meus favoritos. Vim dar uma olhadinha. Como não posso ficar aqui por muito tempo, vou só comentar este texto, tudo bem? Olha, pode apostar que as suas frustrações são bem parecidas com as de milhares de adolescentes na nossa idade. E muitos pensaram que teriam uma vida dos contos de fadas quando eram crianças. Quando somos pequetititos, somos sonhadores, não conheçemos limites, e idealizamos um futuro sem sofrimento, pressão ou decepções...
    Porém crescemos, e tomamos na cara, de novo e de novo.

    Mas quando tomamos na cara, aprendemos a crescer e a lidar com as próximas situações.

    Ser popular, ter um namorado gato, estudar numa escola de elite e/ou ter pais ricos talvez não te faça mais feliz. E você sabe disso, né?

    Você tem coisas melhores do que isso. A sua inteligência extraordinária, o seu caráter e a sua força de vontade são absurdamente invejados.
    Só vou falar o que todos devem falar pra você:
    NÃO DESISTA! O seu potencial é magnífico,
    eu acredito em você!

    Eu acredito e SEI que você vai conseguir tudo o que você realmente quiser na sua vida. Talvez seus sonhos demorem para se concretizar, talvez não. O importante é nunca deixar de acreditar.

    E o ano vai acabar, você vai fazer 18 anos.
    Vai chorar, talvez entre em despero. Mas calma, tudo passa. E uma nova e maravilhosa fase da sua vida vai surgir!

    Mas lembre-se, não se esqueça de mim. Eu vou sempre lembrar de uma amiguinha muito nerd, louca, histérica, pessimista, escritora e muito fofa que eu conheci no meu ensino médio.

    E se sentir saudades, fique feliz! Só sentimos saudades quando o passado valeu a pena.

    Eu te garanto, VOU SENTIR SAUDADEEEEES!

    agora vou-me indo, Luminha.

    eu AMO VOCÊ, obrigada por ter participado e participar da minha história.

    ResponderExcluir
  3. Ah Luminha, essas frustações... Eu bem as conheço. Mas, olha, eu faço 21 em março. VINTE E UM. Já tive medo de fazer 15, 18... E, quer saber? Nada muda.

    Quanto a profissão, é como tudo na vida: a gente arrisca, põe a cara a tapa e vê no que dá. As vezes as coisas não vão como nós planejamos sim, mas lembre-se que tem alguém que cuida de você. E mts das vezes os planos desse alguém não são claros, mas são os melhores. Aposto que vc não planejou entrar no Pedro II. Foi lá, descobriu, se inscreveu e... PRIMEIRO LUGAR! Era pra acontecer, Luminha. Mas há coisas que as vezes não são... Entende? Como o sonho de ser alta, magra, popular... Blé. Sonho de adolescente americana! E que tds nós acabamos sendo influenciadas.. rs

    Eu tenho certeza que sua dedicação e carisma ainda te levarão a caminhos mto mto mto especias. E que vc terá uma profissão digna, seu dinheirinho e uma linda família, não tenha dúvidas! Mas deixa a vida seguir... Se não passar no vestibular agora, relaxe. Se não passar pra medicina, quem sabe não era pra ser? Quem sabe outra profissão? Ou quem sabe vc tenha que estudar um pouco mais, ou relaxar um pouco mais... Passar um tempinho mais com vc, pra pensar, refletir... Tem tanta coisa que influencia. Pede a papai do céu pra guiar seus passos, Lu. Ele cuidará de td, é só vc fazer sua parte que a recompensa virá =]

    Tudo de bom Luminha!
    Te adoro mto, viu? Sempre lembro de vc pequetitinha.. ^^

    Mil beijos!

    ResponderExcluir