21 de fevereiro de 2011

Essa última semana foi, definitivamente, desgastante.

No domingo, dia 13, como eu já disse, fui reclassificada para estudar na UFRJ - campus Macaé. Bem, Macaé é uma cidade bonita, a 170 km de onde moro, é litorânea e nos últimos anos sofreu um boom de crescimento graças ao petróleo. Esse boom fez com que Macaé tenha um altíssimo custo de vida.

E foi aí que nasceu minha indecisão. Ficar na Souza Marques, onde já estava matriculada, onde as aulas começariam no dia seguinte, ou ir de mala e cuia pra Macaé, estudar medicina na UFRJ e tomar vergonha na cara e admitir que (infelizmente) agora sou adulta. Mas não era só medo de crescer. O maior problema era o financeiro. Como meus pais iriam me bancar em Macaé? Como?
Afinal, as bolsas que a universidade oferece são no valor de 360 reais e não acumulam. 360 reais não cobrem minhas despesas. Mesmo que eu esteja no "top 10 pão dura Brasil". Entretanto, bem, era UFRJ. Era no interior, longe da poluição que eu odeio. Longe do trânsito super hiper caótico que eu não suporto. Longe do calor fortíssimo causado pelas ruas asfaltadas. Longe do que eu odeio. Perto do que eu gosto. Gosto de mato, vacas e montanhas. Gosto de brisa. E Macaé tem uma brisa marítima simplesmente deliciosa. A brisa é tão gostosa que nem parece que estamos no verão tenebroso que passo onde moro. Não parece mesmo.

E agora? Que decisão tomar? A cada 20 minutos eu mudava de idéia. Caramba, por que a gente tem que decidir coisas tão importantes em tão pouco tempo? Por quê? Isso é muuito injusto. Em plena madrugada lá estava eu, com Vivi no telefone. Vivi é uma das pessoas mais sensatas que conheço. Vivi deu maior força pra eu ir pra Macaé. É, mas não é Vivi que vai ter que construir uma vida nova numa cidade nova. Tá, decidi: iria pra UFRJ. Entretanto, na 2ª feira, quando cheguei na Souza Marques, e tive que assinar o papel de cancelamento da matrícula, eu simplesmente não consegui!
Cara, foi com a Souza Marques que eu chorei de alegria, foi com a Souza que eu não dormi de eufora, foi com a Souza que fiz promessas. Como jogas tudo isso fora? Cara, eu conseguiria uma bolsa de 100% numa boa faculdade e estava jogando isso fora por uma vontade alucinada de sair da região metropolitana. Não assinei o papel e voltei pra casa. A mulher responsável pelo Prouni lá me disse que eu poderia decidir até quinta feira. Voltei pra casa. Chorei de nervoso. Eu não me decidia. Chegou terça à noite. A matrícula em Macaé deveria ser feita na quarta. E eu não tinha decidido nada! Mas que droga! O que vale mais? Os sonhos? Estar perto da família? Realizar nossas vontades? Seguir nossos princípios e ser fiel à faculdade que te deu a primeira oportunidade? E o dinheiro? Onde eu arrumaria dinheiro? Por que isso tinha que acontecer logo comigo? E por que diabos o campus Macaé não tem uma droga de alojamento? Droga.

Papai chegou em casa e intimou: " Luma, por mim você já pode ir pra UFRJ. Não é justo você passar pra lá e não ir por causa de dinheiro, eu dou meu jeito. Pelo amor de Deus. Agora é com você." Eis uma coisa que eu odeio: Agora é com você, A decisão é sua, Você é quem sabe, Faz o que achar melhor.

Mas as pessoas esquecem que eu não sei o que é melhor pra mim. Mesmo que eu já tenha 18 anos!

Tá, já que papai liberou, decidi: ir para a UFRJ. Dane-se o mundo. Tô cansada de suprimir minhas vontades a vida toda. Chega uma hora que a gente quer gritar, sabe? Que quer fazer o que dá na telha. Que a gente cansa de viver em função dos outros. Que cansa de sorrir pra deixar os outros felizes enquanto a nossa vontade por dentro é gritar, chorar, desabafar, mandar todos ao inferno. Simples assim.

Mas só agora eu tô tendo noção do que consegui. EU.PASSEI.PRA.MEDICINA.DE.PRIMEIRA.NA.UFRJ.

Que surreal! Vocês sabem quantos parabéns já recebi? Talvez mais que em todos os meus últimos, sei lá, cinco aniversários! Sabe o quão famosa eu tô ficando? Cara, isso é muuuuuuuuuito bom! Valeu, papai do céu. Valeu mesmo.

Obrigada leitores. É graças a vocês que o blog existe. E é graças ao blog que eu ainda existo.

beeeeeeeeijos

4 comentários:

  1. Luminha, se escolheu pela qualidade da faculdade, então está certa! Eu, particularmente não gosto de Macaé - enxergo uma cidade muito suja e quando for procurar um lugar para morar, veja a questão da segurança, viu? Era preferível que não morasse sozinha. Sei lá, acho a cidade um pouco violenta porque já fui assaltada lá. Conheço muita gente que optou por morar em Rio das Ostras e ir todo dia para Macaé. Mas não fique insegura, a UFRJ não tem alojamento, mas na própria faculdade podem indicar um bom lugar para morar. Boa sorte! Beijus,

    ResponderExcluir
  2. Não poderia ter feito escolha melhor. Com certeza está indo para um bom lugar. E não ligue para as dificuldades que você vai enfrentar, afinal, quantas você não já encarou e saiu bem sucedida? Tá aí uma prova: vai estudar Medicina na UFRJ! Parabéns mais uma vez, e estou muito feliz por você.

    ResponderExcluir
  3. LUUMA.QUE.LINDA.
    parabéns florzinha, eu sei o tanto que você se esforçou, pq eu também me esforcei e lembro de a gnt ficar falando que tinha que arrumar um tempo pro blog em meio aos estudos, E AGORA NÓS DUAS ESTAMOS NUMA FEDERAL. não é lindo?
    HSAUHSAUSUAH

    parabéns florzinha! UFRJ é só pra raros, tenho certeza de que você vai aproveitar demais, com certeza eu ficaria com UFRJ também.
    Entendo todos seus conflitos, estou passando por algo do gênero.
    sucesso Luma, ;)

    ResponderExcluir
  4. Olá Luma...adorei ler o q escreveu ...me deu uma força danada...também passei para UFRJ de Macaé para Biologia e estava super indecisa, também estou matriculada em uma faculdade particular e estou no terceiro periodo...Só que eu to cada dia tomando coragem pra ir para Macaé...é isso temos q ter coragem e enfrentar nossos medos...grande beijo e parabéns!

    ResponderExcluir

21 de fevereiro de 2011

Essa última semana foi, definitivamente, desgastante.

No domingo, dia 13, como eu já disse, fui reclassificada para estudar na UFRJ - campus Macaé. Bem, Macaé é uma cidade bonita, a 170 km de onde moro, é litorânea e nos últimos anos sofreu um boom de crescimento graças ao petróleo. Esse boom fez com que Macaé tenha um altíssimo custo de vida.

E foi aí que nasceu minha indecisão. Ficar na Souza Marques, onde já estava matriculada, onde as aulas começariam no dia seguinte, ou ir de mala e cuia pra Macaé, estudar medicina na UFRJ e tomar vergonha na cara e admitir que (infelizmente) agora sou adulta. Mas não era só medo de crescer. O maior problema era o financeiro. Como meus pais iriam me bancar em Macaé? Como?
Afinal, as bolsas que a universidade oferece são no valor de 360 reais e não acumulam. 360 reais não cobrem minhas despesas. Mesmo que eu esteja no "top 10 pão dura Brasil". Entretanto, bem, era UFRJ. Era no interior, longe da poluição que eu odeio. Longe do trânsito super hiper caótico que eu não suporto. Longe do calor fortíssimo causado pelas ruas asfaltadas. Longe do que eu odeio. Perto do que eu gosto. Gosto de mato, vacas e montanhas. Gosto de brisa. E Macaé tem uma brisa marítima simplesmente deliciosa. A brisa é tão gostosa que nem parece que estamos no verão tenebroso que passo onde moro. Não parece mesmo.

E agora? Que decisão tomar? A cada 20 minutos eu mudava de idéia. Caramba, por que a gente tem que decidir coisas tão importantes em tão pouco tempo? Por quê? Isso é muuito injusto. Em plena madrugada lá estava eu, com Vivi no telefone. Vivi é uma das pessoas mais sensatas que conheço. Vivi deu maior força pra eu ir pra Macaé. É, mas não é Vivi que vai ter que construir uma vida nova numa cidade nova. Tá, decidi: iria pra UFRJ. Entretanto, na 2ª feira, quando cheguei na Souza Marques, e tive que assinar o papel de cancelamento da matrícula, eu simplesmente não consegui!
Cara, foi com a Souza Marques que eu chorei de alegria, foi com a Souza que eu não dormi de eufora, foi com a Souza que fiz promessas. Como jogas tudo isso fora? Cara, eu conseguiria uma bolsa de 100% numa boa faculdade e estava jogando isso fora por uma vontade alucinada de sair da região metropolitana. Não assinei o papel e voltei pra casa. A mulher responsável pelo Prouni lá me disse que eu poderia decidir até quinta feira. Voltei pra casa. Chorei de nervoso. Eu não me decidia. Chegou terça à noite. A matrícula em Macaé deveria ser feita na quarta. E eu não tinha decidido nada! Mas que droga! O que vale mais? Os sonhos? Estar perto da família? Realizar nossas vontades? Seguir nossos princípios e ser fiel à faculdade que te deu a primeira oportunidade? E o dinheiro? Onde eu arrumaria dinheiro? Por que isso tinha que acontecer logo comigo? E por que diabos o campus Macaé não tem uma droga de alojamento? Droga.

Papai chegou em casa e intimou: " Luma, por mim você já pode ir pra UFRJ. Não é justo você passar pra lá e não ir por causa de dinheiro, eu dou meu jeito. Pelo amor de Deus. Agora é com você." Eis uma coisa que eu odeio: Agora é com você, A decisão é sua, Você é quem sabe, Faz o que achar melhor.

Mas as pessoas esquecem que eu não sei o que é melhor pra mim. Mesmo que eu já tenha 18 anos!

Tá, já que papai liberou, decidi: ir para a UFRJ. Dane-se o mundo. Tô cansada de suprimir minhas vontades a vida toda. Chega uma hora que a gente quer gritar, sabe? Que quer fazer o que dá na telha. Que a gente cansa de viver em função dos outros. Que cansa de sorrir pra deixar os outros felizes enquanto a nossa vontade por dentro é gritar, chorar, desabafar, mandar todos ao inferno. Simples assim.

Mas só agora eu tô tendo noção do que consegui. EU.PASSEI.PRA.MEDICINA.DE.PRIMEIRA.NA.UFRJ.

Que surreal! Vocês sabem quantos parabéns já recebi? Talvez mais que em todos os meus últimos, sei lá, cinco aniversários! Sabe o quão famosa eu tô ficando? Cara, isso é muuuuuuuuuito bom! Valeu, papai do céu. Valeu mesmo.

Obrigada leitores. É graças a vocês que o blog existe. E é graças ao blog que eu ainda existo.

beeeeeeeeijos

4 comentários:

  1. Luminha, se escolheu pela qualidade da faculdade, então está certa! Eu, particularmente não gosto de Macaé - enxergo uma cidade muito suja e quando for procurar um lugar para morar, veja a questão da segurança, viu? Era preferível que não morasse sozinha. Sei lá, acho a cidade um pouco violenta porque já fui assaltada lá. Conheço muita gente que optou por morar em Rio das Ostras e ir todo dia para Macaé. Mas não fique insegura, a UFRJ não tem alojamento, mas na própria faculdade podem indicar um bom lugar para morar. Boa sorte! Beijus,

    ResponderExcluir
  2. Não poderia ter feito escolha melhor. Com certeza está indo para um bom lugar. E não ligue para as dificuldades que você vai enfrentar, afinal, quantas você não já encarou e saiu bem sucedida? Tá aí uma prova: vai estudar Medicina na UFRJ! Parabéns mais uma vez, e estou muito feliz por você.

    ResponderExcluir
  3. LUUMA.QUE.LINDA.
    parabéns florzinha, eu sei o tanto que você se esforçou, pq eu também me esforcei e lembro de a gnt ficar falando que tinha que arrumar um tempo pro blog em meio aos estudos, E AGORA NÓS DUAS ESTAMOS NUMA FEDERAL. não é lindo?
    HSAUHSAUSUAH

    parabéns florzinha! UFRJ é só pra raros, tenho certeza de que você vai aproveitar demais, com certeza eu ficaria com UFRJ também.
    Entendo todos seus conflitos, estou passando por algo do gênero.
    sucesso Luma, ;)

    ResponderExcluir
  4. Olá Luma...adorei ler o q escreveu ...me deu uma força danada...também passei para UFRJ de Macaé para Biologia e estava super indecisa, também estou matriculada em uma faculdade particular e estou no terceiro periodo...Só que eu to cada dia tomando coragem pra ir para Macaé...é isso temos q ter coragem e enfrentar nossos medos...grande beijo e parabéns!

    ResponderExcluir