23 de dezembro de 2011

=)

Eu odeio clichês, Mas é inevitável.

Sorry coleguinhas, mas o Natal está chegando.

Como vocês bem sabem não é lá uma data que eu curto muito ( como disse no ano passado).

Esse ano não é o que posso chamar de melhor ano da minha vida. Embora eu tenho perdido uns oito quilos ( a principio perdi 10 mas acho que já engordei uns dois de volta), ingressado na faculdade que eu tanto queria e finalmente conseguir para de alisar meu cabelo e ter meus cachos de volta, os problemas familiares foram muito estressantes. Nem quando eu tive que cancelar a minha sonhadíssima festa de quinze anos dinheiro me fez tanta falta. Embora há quem me diga que eu tenho que estudar ao invés de me preocupar com os problema financeiros de minha família, eu discordo. Tenho 19 anos e sou 100% financiada pelos meus pais, que mal se financiam. E grana sempre faltando em momentos em que não poderiam faltar doem no coração. Você ver as economias de sua família se indo, é como se arrancassem todo o seu cabelo ( porque cabelo nasce de novo, e dinheiro tbm, mas demora um bom tempo. A não ser que você compre um megahair ou ganhe  na loteria).

Segundo meus pais, eu ter passado no vestibular e nos mantermos vivos e relativamente saudáveis são as coisas que podemos agradecer em 2011. Quanto a lamentar.... Bem, acho que o saldo está longe de ser positivo.

Por essas razões, esse Natal me pareceu o tempo todo pior que todos os outros. A musiquinha da Leader Magazine irritou-me horrores. Eu queri ter um tico de dinheiro pelo menos, porque meus pais e meu irmão realmente mereciam um bom presente. Não é justo que a gente esteja tão desesperado, sufocado e pessoas não lá muito boas se dêem sempre bem. Isso me revolta. Eu queria muito poder sair agora e comprar presentes pra eles, nem que fossem havaianas ou regata.

Mas a minha mente é imbecil mesmo. Porque depois de assistir ao último episódio de Glee que eu lembrei o que Natal realmente é. Embora saibamos que é nascimento de Jesus estamos sempre nos preocupando mais com a comida que estará na mesa e os presentes que estarão na árvore. Embora Jesus Cristo não tenha nascido em 25 de dezembro, essa é a data que escolheram para comemorarmos o quanto é bom saber que alguém olha por nós. Que Deus nos deu um irmão maravilhoso, capaz de sair espalhando o amor pelo mundo. E, se o próprio Jesus era um homem pobre, por que nos preocupamos tanto com a fartura? Não há cabimento. Por isso, o Natal, pelo menos por enquanto, não está me entristecendo. Não mesmo.

O Natal está me lembrando o quão incrível é ter meus pais cuidando de mim e um irmão que embora me perturbe é a pessoa que eu mais amo nesse mundo. Que eu tenho a alegria de poder abraçá-los e beijá-los todos os dias, que eu tenho um pai lunático, uma mãe bem humorada e um irmão reclamão e super engraçado que assiste seriado comigo todos os dias.

O que eu desejo pra mim nesse Natal é estar com eles, simplesmente. Se puder ser vendo um filminho e comendo pipoca com chocolate com refrigerante de limão, melhor ainda. Se tiver menos calor, beleza. Mesmo que meus pais durmam no meio do filme e meu irmão peça pra eu dar pause a cada ajeitada na almofada do velho sofá e que eu discuta com o controle remoto que não pega. Pois esse é o meu pedido.

E pra você, leitor que me acompanhou até aqui, que você lembre de uma coisa. Natal é quando celebramos o aniversário de Cristo. E Cristo, como qualquer pessoa boa, gosta de ver as pessoas de bom humor nesse dia. Até porque se eu odeio que as pessoas estejam mal humoradas no meu 21 de novembro, imagina Jesus? Então, tente sorrir e ser positivo.Se não for por você, que seja por quem te ama.

Um comentário:

  1. Luma, o natal se foi e venho somar um pouquinho do meu espírito natalino com o seu, desejando que o próximo ano, seja mais pleno de alegrias!
    Beijus,

    ResponderExcluir

23 de dezembro de 2011

=)

Eu odeio clichês, Mas é inevitável.

Sorry coleguinhas, mas o Natal está chegando.

Como vocês bem sabem não é lá uma data que eu curto muito ( como disse no ano passado).

Esse ano não é o que posso chamar de melhor ano da minha vida. Embora eu tenho perdido uns oito quilos ( a principio perdi 10 mas acho que já engordei uns dois de volta), ingressado na faculdade que eu tanto queria e finalmente conseguir para de alisar meu cabelo e ter meus cachos de volta, os problemas familiares foram muito estressantes. Nem quando eu tive que cancelar a minha sonhadíssima festa de quinze anos dinheiro me fez tanta falta. Embora há quem me diga que eu tenho que estudar ao invés de me preocupar com os problema financeiros de minha família, eu discordo. Tenho 19 anos e sou 100% financiada pelos meus pais, que mal se financiam. E grana sempre faltando em momentos em que não poderiam faltar doem no coração. Você ver as economias de sua família se indo, é como se arrancassem todo o seu cabelo ( porque cabelo nasce de novo, e dinheiro tbm, mas demora um bom tempo. A não ser que você compre um megahair ou ganhe  na loteria).

Segundo meus pais, eu ter passado no vestibular e nos mantermos vivos e relativamente saudáveis são as coisas que podemos agradecer em 2011. Quanto a lamentar.... Bem, acho que o saldo está longe de ser positivo.

Por essas razões, esse Natal me pareceu o tempo todo pior que todos os outros. A musiquinha da Leader Magazine irritou-me horrores. Eu queri ter um tico de dinheiro pelo menos, porque meus pais e meu irmão realmente mereciam um bom presente. Não é justo que a gente esteja tão desesperado, sufocado e pessoas não lá muito boas se dêem sempre bem. Isso me revolta. Eu queria muito poder sair agora e comprar presentes pra eles, nem que fossem havaianas ou regata.

Mas a minha mente é imbecil mesmo. Porque depois de assistir ao último episódio de Glee que eu lembrei o que Natal realmente é. Embora saibamos que é nascimento de Jesus estamos sempre nos preocupando mais com a comida que estará na mesa e os presentes que estarão na árvore. Embora Jesus Cristo não tenha nascido em 25 de dezembro, essa é a data que escolheram para comemorarmos o quanto é bom saber que alguém olha por nós. Que Deus nos deu um irmão maravilhoso, capaz de sair espalhando o amor pelo mundo. E, se o próprio Jesus era um homem pobre, por que nos preocupamos tanto com a fartura? Não há cabimento. Por isso, o Natal, pelo menos por enquanto, não está me entristecendo. Não mesmo.

O Natal está me lembrando o quão incrível é ter meus pais cuidando de mim e um irmão que embora me perturbe é a pessoa que eu mais amo nesse mundo. Que eu tenho a alegria de poder abraçá-los e beijá-los todos os dias, que eu tenho um pai lunático, uma mãe bem humorada e um irmão reclamão e super engraçado que assiste seriado comigo todos os dias.

O que eu desejo pra mim nesse Natal é estar com eles, simplesmente. Se puder ser vendo um filminho e comendo pipoca com chocolate com refrigerante de limão, melhor ainda. Se tiver menos calor, beleza. Mesmo que meus pais durmam no meio do filme e meu irmão peça pra eu dar pause a cada ajeitada na almofada do velho sofá e que eu discuta com o controle remoto que não pega. Pois esse é o meu pedido.

E pra você, leitor que me acompanhou até aqui, que você lembre de uma coisa. Natal é quando celebramos o aniversário de Cristo. E Cristo, como qualquer pessoa boa, gosta de ver as pessoas de bom humor nesse dia. Até porque se eu odeio que as pessoas estejam mal humoradas no meu 21 de novembro, imagina Jesus? Então, tente sorrir e ser positivo.Se não for por você, que seja por quem te ama.

Um comentário:

  1. Luma, o natal se foi e venho somar um pouquinho do meu espírito natalino com o seu, desejando que o próximo ano, seja mais pleno de alegrias!
    Beijus,

    ResponderExcluir