31 de março de 2010

*.*

Bem, essa semana aconteceu algo realmente chato na escola. E como tá todo mundo falando disso, me senti na obrigação de dar meu palpite também.
O lance é o seguinte: um menino da escola resolveu fazer uma brincadeira de muito mau gosto com um filhotinho de gato que estava lá na escola. Esse pequenino ser tinha sido levado para que alguém pudesse adotá-lo, mas olha só que coisa feia que fizeram! Machucaram o pobrezinho! Mas fiquem tranquilos, ele já está bem e prestes a ser adotado, ok?

Gente, eu não sou apegada a animais, mas gosto muito. Mesmo, mesmo, mesmo. Meus pais também não são apegados a isso, e eu cresci sem cachorro, gato... Tive alguns cães, mas por pouquíssimo tempo, pouco tempo depois, por algum motivo qualquer meu pai o doava.

Lembro da única vez em que perdi um bichinho de estimação. Os poucos cachorros que tivemos eram cães de guarda, eu não costumava ficar junto deles. Exceto pelo Tchutchucão e pela Violeta. Eu os tive durante a pré-adolescência, e tinha um carinho gigante por eles. Por questões do tipo que eu cresci assim, eu não dormia com eles, nem dava beijo, meus pais sempre falavam que era nojento. Mas eu adorava jogar a bola para a Violeta sair correndo atrás e o Tchutchucão era tão...fofo!

Tchutchucão parecia um menino de quinze anos. Sabe como é, só tem tamanho e super imaturo. Mas meu cachorro tinha um coração GIGANTE. E me amava. Até que o Tchutchucão ficou doente, e muito, muito rapidamente, ele faleceu. Foi um dos dias mais tristes da minha vida. Na minha casa, parecia que eu era a única a sentir algo pelo meu cachorrão. Fui a única a chorar, a ficar triste, mal mesmo. Pouco tempo depois nos mudamos e Violeta ficou com os novos donos da nossa antiga casa. Eles e a Violeta se dão muito bem.

Agora moro em apartamento, e não tenho como ter um bichinho de estimação. Assim que der, vou adotar um cachorrinho pra mim, vocês vão ver.

Bem, e em meio a tudo isso, eu pergunto: dá pra diferenciar os sentimentos dos bichinhos dos que nós temos?
Gente, eu não sei. Eu particularmente sou capaz de amar um animal e gostar dele, cuidar como filho.Queria entender por que tem gente que não pensa igual. Sério mesmo.

Vejo pessoas que amam seus celulares, um programa de tv, um filme, mas não conseguem amar um animalzinho, vê-lo como ser vivo.

Ano passado li uma reportagem da Super Interessante especial psicopatas ( eu quero ser psiquiatra), e ali dizia que quando alguém quer testar seu companheiro, caso suspeite de uma psicopatia, uma sugestão era ver seu comportamento com animais. Muitos dos psicopatas "sanguinários, assassinos" começam maltratando animaizinhos.

O que será então do garoto que eu citei no começo do post? Seria ele um psicopata? Eu não sei, o conheço mal. Apesar de que, estatiscamente, 1% da população tem predisposiçãoà psicopatia. Logo, considerando os 550 alunos da escola, seria algo possível. Mas posso afirmar que essa atitude foi bem ruim.Estamos todos chateados.

Eu queria saber como esse menino se sente. De verdade. Será que está feliz por chamar a atenção, ou envergonhado? Não sei, gente. Contudo sei de uma coisa: nós não precisamos que isso aconteça de novo. Ouviram? NÓS NÃO QUEREMOS ISSO!!

Não quero que essa pessoa pare de "agredir" gatinhos por vergonha ou por medo. Quero que pare de fazê-lo porque sabe que não é legal.

Simples assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

31 de março de 2010

*.*

Bem, essa semana aconteceu algo realmente chato na escola. E como tá todo mundo falando disso, me senti na obrigação de dar meu palpite também.
O lance é o seguinte: um menino da escola resolveu fazer uma brincadeira de muito mau gosto com um filhotinho de gato que estava lá na escola. Esse pequenino ser tinha sido levado para que alguém pudesse adotá-lo, mas olha só que coisa feia que fizeram! Machucaram o pobrezinho! Mas fiquem tranquilos, ele já está bem e prestes a ser adotado, ok?

Gente, eu não sou apegada a animais, mas gosto muito. Mesmo, mesmo, mesmo. Meus pais também não são apegados a isso, e eu cresci sem cachorro, gato... Tive alguns cães, mas por pouquíssimo tempo, pouco tempo depois, por algum motivo qualquer meu pai o doava.

Lembro da única vez em que perdi um bichinho de estimação. Os poucos cachorros que tivemos eram cães de guarda, eu não costumava ficar junto deles. Exceto pelo Tchutchucão e pela Violeta. Eu os tive durante a pré-adolescência, e tinha um carinho gigante por eles. Por questões do tipo que eu cresci assim, eu não dormia com eles, nem dava beijo, meus pais sempre falavam que era nojento. Mas eu adorava jogar a bola para a Violeta sair correndo atrás e o Tchutchucão era tão...fofo!

Tchutchucão parecia um menino de quinze anos. Sabe como é, só tem tamanho e super imaturo. Mas meu cachorro tinha um coração GIGANTE. E me amava. Até que o Tchutchucão ficou doente, e muito, muito rapidamente, ele faleceu. Foi um dos dias mais tristes da minha vida. Na minha casa, parecia que eu era a única a sentir algo pelo meu cachorrão. Fui a única a chorar, a ficar triste, mal mesmo. Pouco tempo depois nos mudamos e Violeta ficou com os novos donos da nossa antiga casa. Eles e a Violeta se dão muito bem.

Agora moro em apartamento, e não tenho como ter um bichinho de estimação. Assim que der, vou adotar um cachorrinho pra mim, vocês vão ver.

Bem, e em meio a tudo isso, eu pergunto: dá pra diferenciar os sentimentos dos bichinhos dos que nós temos?
Gente, eu não sei. Eu particularmente sou capaz de amar um animal e gostar dele, cuidar como filho.Queria entender por que tem gente que não pensa igual. Sério mesmo.

Vejo pessoas que amam seus celulares, um programa de tv, um filme, mas não conseguem amar um animalzinho, vê-lo como ser vivo.

Ano passado li uma reportagem da Super Interessante especial psicopatas ( eu quero ser psiquiatra), e ali dizia que quando alguém quer testar seu companheiro, caso suspeite de uma psicopatia, uma sugestão era ver seu comportamento com animais. Muitos dos psicopatas "sanguinários, assassinos" começam maltratando animaizinhos.

O que será então do garoto que eu citei no começo do post? Seria ele um psicopata? Eu não sei, o conheço mal. Apesar de que, estatiscamente, 1% da população tem predisposiçãoà psicopatia. Logo, considerando os 550 alunos da escola, seria algo possível. Mas posso afirmar que essa atitude foi bem ruim.Estamos todos chateados.

Eu queria saber como esse menino se sente. De verdade. Será que está feliz por chamar a atenção, ou envergonhado? Não sei, gente. Contudo sei de uma coisa: nós não precisamos que isso aconteça de novo. Ouviram? NÓS NÃO QUEREMOS ISSO!!

Não quero que essa pessoa pare de "agredir" gatinhos por vergonha ou por medo. Quero que pare de fazê-lo porque sabe que não é legal.

Simples assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário